> Viagens-pelo-Mundo: VIAGEM AOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA

Viagens-pelo-Mundo

4/25/2015

VIAGEM AOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA

ESTADOS UNIDOS
DA AMÉRICA
UNITED STATES
OF AMERICA



Mapa dos Estados Unidos - Cidades
United States map - Cities
Mapa dos Estados Unidos - Estados
United States map - States
ESTADOS UNIDOS
DA AMÉRICA

UNITED STATES
OF AMERICA
CAPITAL - WASHINGTON
ÁREA - 96.291.000 KMS
QUADRADOS
POPULAÇÃO - 303.008.000
LÍNGUA - INGLESA
MOEDA - DÓLAR
DISTÂNCIA LISBOA - NOVA IORQUE
5.450 KMS.
VOO LISBOA - NOVA IORQUE
7 HORAS
CALIFÓRNIA E
COSTA LESTE
(EAST COAST)


S. FRANCISCO
S. FRANCISCO
S. FRANCISCO


No Parque Nacionl da Golden Gate

In the National Golden Gate Park



Na baía de S. Francisco, com a Golden Gate,

onde Madeleine se atirou ao mar (Vertigo).

In S. Francisco bay, with the Goldn Gate ,
whre Madeleine fall to the sea (Vertigo)

Na Câmara Municipal
In the City Council

Em S. Francisco - In S. Francisco



MONTEREYMONTEREYMONTEREY


Em Monterey - In Monterey

CARMELCARMELCARMEL


Em Carmel - In Carmel


SANTA BÁRBARA
SANTA BÁRBARA
SANTA BÁRBARA


Em Santa Bárbara - In Santa Barbara
No cais de Santa Bárbara
In the Santa Barbara pier

LOS ANGELES
LOS ANGELESLOS ANGELES

Em Los Angeles - In Los Angeles


Em Los Angeles, no antigo teatro dos Óscares
In Los Angeles, in the old Oscars theatre


HOLLYWOOD
HOLLYWOOD
HOLLYWOOD


Em Hollywood Boulevard,
com o Teatro Chinês
In Hollywood Boulevard,
with the Chinese Theatre


Em Beverly Hills - In Beverly Hills
No Teatro Kodak - In the Kodak Theatre
No Teatro Kodak - In the Kodak Theatre
Nos Estúdios da Universal
In the Universal Sudios


Nos Estúdios da Universal
In the Universal Studios


Nos Estúdios da Universal
In the Universal Studios



VIAJANDO NA CALIFÓRNIA
PELA AMÉRICA MARAVILHOSA

S. Francisco e Los Angeles são as cidades mais importantes que visitei na Califórnia. S. Francisco, onde estive três dias, é uma cidade acolhedora, onde convivem sem qualquer problema milhares de negros e de chineses e onde reside uma comunidade gay de milhares de homossexuais, aceite e reconhecida oficialmente desde 1850.
Eu andei por quase toda a cidade, incluindo a célebre Golden Gate Bridge, o bairro chinês e o bairro gay. Os chineses e os homossexuais eram obrigados a viver nesses bairros antes do Presidente Kennedy os ter libertado dessa revoltante restrição aos seus direitos fundamentais. Devido ao grande número de homossexuais que vivem em S. Francisco, a população desta cidade tem tendência a decrescer .
Em S. Francisco fiquei instalado no Hilton, um hotel de luxo com 46 andares, e comi quase todas as refeições no Restaurante Loris, onde apareciam belíssimas garotas. Mas é preciso ter cuidado, pois em S. Francisco uma grande percentagem de miúdas giras são travestis, embora as garotas não deixem de ser bonitas por serem na realidade rapazes. Em suma, S. Francisco é uma cidade fascinante, com a sua enorme amálgama e confusão de raças e de sexos. Só é pena ser tão fria, com temperaturas de 20 graus em pleno Julho.
Viajei de S. Francisco para Los Angeles num autocarro de luxo. Durante a viagem, de cerca de 800 quilómetros, quase sempre à beira do Oceano Pacífico, com paragem nas belíssimas cidades de Monterey, Carmel, Santa Maria e Santa Bárbara, tomei contacto com a paisagem urbana e rural da Califórnia. Cheguei Los Angeles cerca da 1 hora da tarde e logo fiquei surpreendido com as suas ruas, que são autênticas auto-estradas,Instalei-me num hotel ainda mais luxuoso que o Hilton de San Francisco, o Marriott, que fica situado na down town de Los Angeles, a cidade dos ricos. E já agora convém referir que Los Angeles é constituída por 40 cidades, entre as quais se inclui a cidade que foi a principal razão da mjnha viagem à América, a mítica Hollywood.
E assim, nos três dias que passei em Los Angeles, fui todos os dias a Hollywood, a primeira e a segunde vez em visitas guiadas e a terceira vez fui pelos meus próprios meios, o que é relativamente fácil, pois há metro até lá. O problema é encontrar uma estação, pois os habitantes de Los Angeles a quem perguntei onde ficava a estação mais próxima do meu hotel não sabiam, pois nunca tinham andado de metro, e acabou por ser um sul-americano a indicar-me o caminho. Com efeito, a maior parte dos habitantes de Los Angeles não anda a pé, nem de autocarro, nem de metro. Andam quase todos em carro próprio.
Los Angeles é a cidade em que se vendem mais carros na América e as pessoas que não têm carro são desconsideradas, pois comprar um carro em Los Angeles é fácil e é barato. Com efeito, no metro em que viajei para Hollywood e no autocarro em que viajei para a praia de Santa Mónica só se viam pretos, velhos e chineses. Mas se as pessoas que não têm carro são geralmente desconsideradas nos Estados Unidos, já o mesmo não acontece com os indivíduos solteiros, como é o meu caso.
E assim, numa das visitas guiadas a Hollywood, uns mexicanos que pertenciam ao meu grupo perguntaram-me se a minha condição era de solteiro e como a resposta foi afirmativa lamentaram o facto de viver só. Mas o guia, que tinha ouvido a conversa, interrompeu-a e disse que na América só há uma coisa melhor que ser rico e essa coisa é ser solteiro, de tal maneira que um americano solteiro diz sempre a um americano rico: You are rich, but I am single.
A América é um país a sério, quase imaculado no que toca à higiene, desde as sanitas em que as porcarias se não agarram, pois mantêm permanentemente uma quantidade razoável de água depois da descarga do autoclismo, até aos milhares de empregados da limpeza que vimos nas ruas e nas praças das cidades da América. Os Estados Unidos são realmente um país exemplar no que toca ao ambiente, de tal maneira que nós viajámos no Verão e não vimos uma única mosca.
Quando na porta de embarque do aeroporto de Nova Iorque, minutos antes do início da nossa viagem de regresso a Lisboa, comecei a ouvir quase toda a gente a falar português, fiquei triste com a perspectiva de voltar para o pequenino país onde nasci e onde vivo. E quando o avião aterrou no aeroporto da Portela, os passageiros portugueses até bateram palmas, coisa que eu nunca tinha visto nos aviões das carreiras americanas.
O que me compensou desta manifestação da parolice lusitana foi o facto da hospedeira que me calhou só falar inglês. E quando lhe disse que ela não gostava de mim, pois não me deixava ir com o saco de viagem entre as pernas e obrigava-me constantemente a colocar o saco debaixo do banco da frente, ela ripostou-me com um belo sorriso: I like you very much. You are very nice» E de tal maneira ela se tornou terna e doce a partir desse momento que eu à saída do avião lhe disse: I am wrong, you like me. Infelizmente, tive que ir para a cidade onde vivo, porque senão podia ter iniciado com esta bela hospedeira uma troca íntima de amorosas palavras em língua inglesa e não só.


A MINHA HOLLYWOOD E A MINHA LOS ANGELES
O SEU CINEMA E O SEU FASCÍNIO




O ano de 2003 há-de ficar para sempre na minha memória como o ano em que pela primeira vez fiz a peregrinação à Meca do cinema, à mítica Hollywood. E digo que fiz essa peregrinação pela primeira vez a Hollywood, porque conto viajar pela América mais vezes, agora que já conheço minimamente o acolhedor povo americano, que me tratou sempre com muito respeito e com muita amizade.
E muito embora tivesse visitado muitas cidades nas minhas deambulações por uma grande parte da nação americana, a verdade é que Hollywood foi a cidade que indiscutivelmente mais me encantou. E o que digo de Hollywood pode alargar-se a todo o conjunto de quarenta cidades que constituem a grande metrópole de Los Angeles. É que o cinema que eu amo e que julgava pertencer só à cidade de Hollywood é afinal um produto de toda a área metropolitana de Los Angeles.
Sim, porque toda a cidade de Los Angeles respira cinema por todos os poros. Fiquei hospedado num hotel de luxo, o Marriott, e a minha suite situava-se na parte da frente do hotel, com vistas para a Figueroa Street, que é uma avenida enorme, uma autêntica auto-estrada. Ora, precisamente numa das transversais da Figueroa Street, a cerca de um quilómetro do Hotel Marriott e muito perto do restaurante onde comi a maior parte das minhas refeições em Los Angeles, estavam a decorrer as filmagens do Homem-Aranha 2 e eu obviamente assisti a elas.
Foram três noites consecutivas em que, depois de jantar na elegante esplanada do restaurante, mes deslocava apenas uns cem metros, para assistir às filmagens.E logo notei que a cidade de Los Angeles sacrifica tudo em prol do cinema. O trânsito que é imenso nessa e noutras avenidas da downtown foi totalmente suspenso nas imediações do local das filmagens e os muitos espectadores que conjuntamente comigo a elas assistiram foram mantidos à distância por simpáticos e correctos polícias americanos.
É que o cinema em Los Angeles está em primeiro lugar. Por isso se pode dizer que é toda a Los Angeles e não só Hollywood que é a cidade do cinema. É certo que na cidade de Hollywood propriamente dita e especialmente no Hollywood Walk of Fame (Hollywood Boulevard), com os nomes das principais estrelas gravados no passeio, o sabor e o cheiro do cinema é muito mais intenso e o meu gozo cinéfilo nessa nave central da sétima arte foi portanto muito maior.
E então quando visitei o Teatro Kodak, onde tem lugar anualmente a cerimónia da distribuição dos óscares, eu senti uma emoção igual àquela que experimento
quando entro nas mais belas catedrais. É que, à semelhança de certos templos, o Teatro Kodak até tem uma monumental cúpula. E eu subi pela imponente escadaria que dá acesso aos andares superiores, tendo-me até deitado no chamado divã do realizador, que se destina à última fase do teste de uma pretendente a actriz.
Supondo que eu era o realizador de um determinado filme e que estava fazer o teste a uma linda e jovem candidata a entrar nesse filme, primeiramente essa candidata teria que fazer provas de dicção, de movimento diante das câmaras, etc., etc. E no fim, como última prova do teste, teria que dormir comigo. Esse é precisamente o sentido irónico do divã onde eu estive deitado, à espera da candidata a actriz, para fazer comigo a última prova, dormir com o realizador, como se pode ver numa das fotografias.
Mas Hollywood não se reduz ao Hollywood Walk of Fame, ao Teatro Kodak ou ao Teatro Chinês, aliás há várias Hollywoods, Hollywood Highland, Hollywood Western, Hollywood Vine, North Hollywood, etc. e vários locais importantes em Hollywood, tais como Beverly Hills, Sunset Boulevard, Universal Studios, etc., etc. Dentre esses locais importantes, cumpre destacar os estúdios da Universal, que são os maiores e que são aliás os únicos que estão aproveitados turisticamente.
Passei lá um dia inteiro, desde as nove da manhã até às nove da noite, visitando tudo o que havia para visitar, desde as cidades dos westerns e dos filmes históricos até ao motel e à casa do filme Psico, de Hitchcock. E também me diverti imenso no Parque Jurássico, onde vi muitos dinossauros ferozes e ameaçadores. E fiz uma viagem alucinante na máquina do tempo, no pavilhão do filme Regresso ao Futuro.
E ainda apanhei uns enormes sustos no pavilhão de A Múmia, sustos que foram compensados com a visita que também fiz ao engraçado pavilhão do meu migo Shrek. Para conseguir ir a todos esses sítios, andei umas vezes num autocarro aberto apropriado e outras vezes utilizei as maiores escadas rolantes do mundo. Enfim tive um grande prazer em visitar os estúdios em que trabalha Steven Spielberg, o maior génio do cinema actual.
Quando o avião levantou voo rumo a Nova Iorque, foi com imensa tristeza que deixei a maravilhosa cidade de Los Angeles. É que esta cidade, que é ao mesmo tempo a cidade do cinema, a cidade das estrelas e a cidade dos anjos, é para mim, que sou cinéfilos e que gosto de estrelas e de anjos, uma das cidades mais belas do mundo e o sítio do planeta onde em toda a minha vida me senti mais feliz. 
 POST SCCRIPTUM: O cinema esteve sempre presente nesta minha visita à Califórnia. Já em S. Francisco me lembrei de um filme de Hitchcock, Os Pássaros, e por isso fui imaginariamente atacado por um bando de agressivas e perigosas aves, enquanto passeava pelas ruas da cidade. E nas minhas viagens de avião de costa a costa, recordava-me dos filmes on the road e tive pena de não ter feito essas viagens à flor do solo.
E em Holywood vivi o cinema intensamente, com a fúria apaixonada de um impetuoso namorado da sétima arte, como se a minha alma fosse feita apenas de cinema. E ainda me lembrei do filme Psico, também de Hitchcock, pois na minha inolvidável visita aos estúdios da Universal passei junto da casa e do motel de Anthony Perkins, mas como gosto muito de miúdas bonitas despidas a tomar banho resolvi não matar nenhuma garota no chuveiro.




WASHINGTON
WASHINGTONWASHINGTON

No Cemitério Nacional de Airlington
In the Airlington National Cemetery
No monumento de Washington
In the Washington monument


No Lincoln Memorial
In the Lincoln Memorial
No cemitério da guerra da Coreia
In the Korean war cemetary


Na casa Branca - In the White House
Na Casa Branca - In the White House


UMA ESTADIA DE SONHO EM NOVA IORQUE E EM WASHINGTON


Hoje vou falar-vos dos quatro dias, passados em Nova Iorque, que é para mim uma das cidades mais belas do mundo, além de ser a capital mundial da arte e da cultura. E assim, logo no transfer entre o aeroporto em New Jersey e o hotel me apercebi, depois de atravessar um túnel  sob o Rio Hudson, da avassaladora monumentalidade dos seus arranha-céus, tão altos que só com dores permanentes nas vértebras cervicais é possível contemplar a sua arquitectura em toda a sua plenitude.
E nem de propósito, muito perto do meu hotel ficava o Empire State Building, um dos edifícios mais altos do mundo, no cimo do qual se desfruta um soberbo panorama sobre a cidade. Com efeito, o hotel em que fiquei, o Hotel Wolcott, está mesmo no centro de Nova Iorque, perto da Broadway e junto à Quinta Avenida, que percorri inúmeras vezes, pois os principais museus, o Metropolitan Museum of Art, um dos melhores museus do mundo, e o Salomon Guggenheim Museum, um óptimo museu de arte moderna e um edifício encantador, situam-se todos nas imediações da Fifth Avenue.
E eu aliás andei a pé sempre que possível para melhor sentir o peso de toda a imensa multidão de Nova-Iorque. E também andei em toda a Manhattan e também em Brooklin nos autocarros abertos da Gray Line. E ainda tive tempo de me lembrar do meu tão querido poeta Garcia Lorca e da sua inspirada descrição poética da cidade de Nova Iorque na Ode a Walt Whitman, enquanto percorria os mesmos sítios cantados em verso pelo genial escritor espanhol.
Andei muito, principalmente em Manhattan, que foi a sede da minha estadia, e fui todas as noites à célebre Time Square e à Broadway, que são um autêntico deslumbramento. Eu pelo menos nunca tinha visto uns lugares tão cheios de luz e tão feéricos, tão cheios de cinemas e de teatros e com tanta gente a passear na rua pela noite adentro.
Também fui num selecto cruzeiro nocturno, com gente muito rica, em iate de luxo, até à Estátua da Liberdade, que como se sabe fica em pleno mar no sul de Manhattan, e enquanto ia dando umas espreitadelas para a cidade de Nova Iorque toda iluminada ao longe, diverti me-me imenso no baile que se seguiu ao jantar a bordo.
Também aproveitei o facto de estar relativamente perto de Washington (350 quilómetros) para passar um dia na capital dos Estados Unidos e visitar os seus principais monumentos, incluindo a Casa Branca, o Capitólio, o Supremo Tribunal, a National Gallery, o Lincoln Memorial e o cemitério de Arlington. Foi uma inesquecível viagem à cidade dos pais da nação americana que com os seus ideais de vida, de liberdade e de busca da felicidade são também os pais da democracia moderna em todo o mundo.






NEW YORK
NEW YORK
NEW YORK

Nas Nações Unidas - In the United Nations
Em Nova Iorque - In New York
Na Broadway - In the Broadway
Em Time Square - In Time Square
Em Time Square - In Time Square
No bus turístico, em Time Square
In the turistic bus, in Time Square


No bus turístico, na 5ª avenida
In the turistic bus, in the 5th avenue


No bus turístico - In the turistic bus
No Battery parc - In the Battery parc
No poro de Nova Iorque
In the New York port


Num cruzeiro para a Liberty e a Ellis island
In a cruise to liberty and Ellis island


Num cruzeiro - In a cruise
Com a estátua da Liberdade
With the statue of the Liberty


Com a estátua da Liberdade
With the statue of the Liberty


Num cruzeiro para Ellis island
Ilha da imigração
In a cruise to Ellis island
Immigration Island
Num cruzeiro, em Ellis island
In a cruise, in Ellis island


No Harlem, na Rua 125ª
In Harlem, in the 125th Steet


Na Rua 125ª - In the 125th Street

Na Rua 125ª - In the 125th Street

No Museu de Arte Moderna
In the Museum of Modern Art


No Museu de Arte Moderna
In the Museum of Modern Art


UM MEMORÁVEL MUSICAL NA BROADWAY
NUMA MÁGICA VISITA A NOVA IORQUE
Aproveitei o feriado religioso do dia 26 de Maio para fazermos um fim-de-semana alargado e assim passei cinco dias em Nova Iorque. Já tinha estado em Nova Iorque numa outra visita que fiz aos Estados Unidos da América, que incluiu também as cidades californianas de São Francisco , Monterey, Carmel, Santa Bárbara e Los Angeles.
Nesta viagem, porém, o meu propósito era assistir a um espectáculo num dos teatros da Broadway e também visitar o Museu de Arte Moderna de Nova Iorque, o celebérrimo MoMA, pois na minha visita anterior aos Estados Unidos o Museu de Arte Moderna tinha mudado para Queens, onde funcionou durante bastante tempo numa garagem, em instalações provisórias, enquanto duraram as obras no seu edifício original, situado na 53th Street, perto da Quinta Avenida.
Também aproveitei ara conhecer melhor a cidade de Nova Iorque, percorrendo toda a sua área metropolitana nos excelentes autocarros de dois andares, abertos no andar de cima, da Gray Line Sightseeing Tours. E foi assim que desta vez não me limitei à área central de Nova Iorque, entre a zona do Empire State Building e a zona do Central Park, onde se situam o Metropolitan Museum of Art e o Solomon Guggenheim Museum.
Desta vez, com efeito, percorri a ilha de Manhattan no sentido norte-sul, rumo à downtown, e nesta conformidade fui até ao extremo sul da ilha, em Buttery Park, passando por Greenwich Village, pelo SoHo, por Little Italy, por Chinatown e pelo World Trade Center, onde me associei à sentida homenagem que o guia fez às vítimas do ataque terrorista de 11 de Setembro.
Nesta incursão pela downtown, também fui a Brooklyn e também fiz um cruzeiro, a partir do Battery Park, para a ilha onde se situa a Estátua da Liberdade, a Liberty island, e também para outra ilha, a Ellis Island, onde antigamente os emigrantes tinham que regularizar a sua situação, antes entrarem no porto de Nova Iorque.
Também fiz no dia seguinte um tour em sentido contrário, pela uptown Manhattan, atravessando de autocarro todo o Central Park até ao mítico bairro negro do Harlem, onde parei para almoçar e onde percorri a pé, durante duas horas, os seus sítios mais característicos. Tive alguns problemas, pois os negros que estavam nos passeios da movimentada 125th Street, onde se situa o emblemático Teatro Apollo, não queriam que tirasse fotografias, tendo mesmo uns vendedores ambulantes negros o descaramento de nos dizer: «no pictures here».
O ambiente que encontrei no Harlem é muito semelhante ao dos filmes de Spike Lee, mas eu consegui desarmar os pretos mais arrogantes com a minha boa educação e com o meu civismo e acabei por tirar as fotografias que pretendia.
Aproveitei o facto de o autocarro que me trouxe de volta do Harlem para a midtown passar muito perto do Museu de Arte Moderna para descer na paragem mais próxima. O museu tem excelentes colecções de arte moderna e contemporânea, que vão desde os pintores impressionistas até aos artistas pop americanos da segunde metade do século XX. O remodelado edifício em que funciona agora o museu, inaugurado em 8 de Novembro de 2004, é um belo e moderno espaço, desenhado pelo arquitecto Yoshio Taniguchi.
Quanto ao espectáculo a que assisti, o musical Chicago, é um musical com a assinatura do genial coreógrafo Bob Fosse. O excelente filme, vencedor de muitos óscares, que foi extraído da peça da Broadway, despertou-nos o interesse para ver o espectáculo teatral.
O teatro onde a peça é representada, o Ambassador Theatre, fica na 49th Street, muito perto de Time Square. É um velho e venerável teatro, com enormes dimensões e com vários mezaninos e com uma inclinação tão acentuada que as cabeças dos espectadores da última fila quase tocam no tecto.
Mas o teatro não só é descomunal na sua enorme plateia como tem igualmente um palco enorme. O que é curioso é que a orquestra não actua num fosso, em frente do palco, como é normal nos antigos teatros. Os músicos da orquestra actuam em pleno palco, onde também representam os actores. Curioso foi também constatar que muitas senhoras vão ao teatro com vestidos de noite,apropriados, como era usual no início do século passado.
Quanto ao musical propriamente dito, resta-nos acrescentar que é um espectáculo memorável, tanto do ponto de vista musical propriamente dito como do ponto de vista das partes faladas, notando-se inclusivamente na peça da Broadway uma harmonia mais conseguida do que no filme entre o enredo propriamente dito e os números musicais. Vencedor de seis Tony Awards, incluindo o de best musical revival, Chicago foi incontestavelmente o mais mágico de todos os momentos mágicos desta nossa mágica visita a Nova Iorque.



O GRANDE POEMA A NOVA IORQUE
E AOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA

ODE A WALT WHITMAN

(AUTOR: GARCIA LORCA)



Pelo East River e pelo Bronx
os rapazes cantavam mostrando as cinturas.
Com a roda, o óleo, o coiro e o martelo
noventa mil mineiros arrancavam a prata das rochas
e os garotos desenhavam escadas e perspectivas.
II
Porém nenhum adormecia,
nenhum queria ser rio,
nenhum amava as grandes folhas,
nenhum, a língua azul da praia.
III
Pelo East River e pelo Queensborough
os rapazes lutavam com a indústria,
os judeus vendiam ao fauno do rio
a rosa da circuncisão
e o céu desembocava por pontes e telhados
manadas de bisontes empurradas pelo vento.

IV

Porém nenhum se detinha,
nenhum queria ser nuvem,
nenhum procurava os fetos
nem a roda do tamboril.

V

Quando a lua nascer,
as polés rodarão para turvar o céu;
Um limite de agulhas cercará a memória
e ataúdes serão levados aos que não trabalham.

VI

Nova Iorque de lama,
Nova Iorque de arame e de morte:
Que anjo levas oculto na tua face?
Que voz perfeita dirá as verdades do trigo,
o sonho terrível das tuas anémonas manchadas?



VII


Nem um só momento, velho e formoso Walt Whitman,
deixei de olhar a tua barba cheia de borboletas,
os teus ombros de bombazina gastos pela lua,
as tuas coxas de Apolo virginal,
a tua voz como coluna de cinza;
ancião formoso como a bruma,
que gemias como um pássaro
com o sexo atravessado por uma agulha.
Inimigo do sátiro.
Inimigo da vide
e amante dos corpos ocultos por tecidos grosseiros.

VIII


Nem um só momento, formosura viril,
que em montes de carvão, vias-férreas e anúncios,
sonhavas ser um rio e dormir como um rio
com aquele camarada que poria no teu peito
uma pequena dor de ignorante leopardo.


IX



Nem um só momento, Adão de sangue, Macho,
homem sozinho no mar, velho e formoso Walt Whitma,
porque nas esplanadas,
agrupados nos bares,
saindo em cachos das sargetas,
tremendo entre as pernas dos chauffeursou
girando nas plataformas do absinto,
os maricas, Walt Whitman, apontam-te.

X


Também esse! Também! E despenham-se
na tua barba luminosa e casta,
loiros do Norte, negros das areias,
multidões de gritos e ademanes,
como os gatos e as serpentes,
os maricas, Walt Whitman, os maricas
turvos de lágrimas, carne para chicote,
bota ou mordedura de domadores.

XI



Também esse! Também! Dedos pintados
apontam a margem do teu sonho,
quando o amigo come a tua maçã
com um leve sabor a gasolina,
e o sol canta nos umbigos
dos rapazes que brincam sob as pontes.



XII



Mas tu não procuravas olhos arranhados
nem o pântano sombrio onde afogam os garotos,
nem a saliva gelada,
nem as curvas feridas como panças de sapos
que levam os maricas em carros às esplanadas
enquanto os fustiga a lua pelas esquinas do terror.



XIII



Tu procuravas um nu que fosse como um rio.
Toiro e sonho que junte a roda à alga,
pai de tua agonia, camélia da rua morte
e gemesse nas chamas do teu Equador oculto.

XIV


Porque é justo que o homem não procure o prazer
na selva de sangue da manhã mais próxima.
O céu tem praias onde evitar a vida
e há corpos que não devem repetir-se na Aurora.



XV


Agonia, agonia, sonho, fermento e sonho.
Assim é o mundo, amigo, agonia, agonia.
Apodrecem os mortos sob o relógio das cidades,
passa a guerra chorando com um milhão de ratas cinzentas,
os ricos dão às suas amantes
pequenos moribundos iluminados,
e a Vida não é nobre, nem boa, nem sagrada.


XVI


Pode o homem, se quiser, conduzir o desejo
por veia de coral ou nu celeste;
amanhã todo o amor será rocha, e o Tempo
a brisa que chega adormecida pelos ramos.

XVII


Por isso não ergo a minha voz, velho Walt Whitman,
contra o garoto que escreve
um nome de menina na sua almofada,
nem contra o jovem que se veste de noiva
na penumbra da sua alcova,
nem contra os solitários dos casinos
que bebem com nojo a água da prostituição,
nem contra os homens de olhar verde
que amam outro homem queimando os lábios em silêncio.
Mas sim contra vós, maricas das cidades,
de carne apodrecida e pensamento imundo.
Mães de lodo. Harpias. Inimigos sem o sonho
do Amor que reparte grinaldas de alegria.



XVIII


Contra vós sempre, que aos rapazes dais
gotas de suja morte com veneno amargo.



XIX


Sempre contra vós,
Faeries da América,
Pájaros de Havana,
Jotos do México,
Sarasas de Cádis,
Apios de Sevilha,
Cancos de Madrid,
Floras de Alicante,
Adelaides de Portugal.

XX


Maricas de todo o mundo, assassinos de pombas!
Escravos da mulher, cadelas de seus toucadores,
abertos nas praças com febre de leque
ou emboscados em hirtas paisagens de cicuta.


XXI


Não haja trégua! A morte
irrompe dos vossos olhos
e junta flores de cinza na margem do lodo.
Não haja tréguas! Alerta!
Que os confundidos, os puros,
os clássicos, os predestinados, os suplicantes
vos fechem as portas da bacanal.


XXII


E tu, belo Walt Whitman, dorme nas margens do Hudson
com a barba virada ao pólo e as mãos abertas.
Argila branca ou neve, a tua língua chama
Camaradas que velem tua gazela sem corpo.

XIII


Dorme, não fica nada.
Uma dança de muros agita as pradarias
e a América afoga-se em máquinas e pranto.
Quero que o ar forte da noite mais profunda
tire flores e letras do arco onde dormes
e um garoto negro anuncie aos brancos do oiro
a chegada do reino das espigas.

Tradução de Eugénio de Andrade

HOTÉIS

S: FRANCISCO - HILTON HOTEL
SANTA MARIA - SANTA MARIA INN
LOS ANGELES - MARRIOTT HOTEL
NOVA IORQUE - WALCOTT HOTEL

Primeira viagem (Califórnia) - Julho de 2003
Segunda viagem (Nova Iorque e Washington) - Maio de 2005

GUIAS
MÁRIO - S. FRANCISCO
FERNANDO - LOS ANGELES
RUBEN - WASHINGTON

DISTÂNCIA LISBOA - NOVA IORQUE - 5450 KMS.

6 Comments:

At março 06, 2011, Anonymous Anónimo said...

Queria ter uma vida chata ssim

 
At janeiro 12, 2013, Anonymous Anónimo said...

Viva,
Descrições muito pormenorizadas e repletas de conteúdos interessantes.
Muito Obrigado
C. aLVES

 
At janeiro 22, 2013, Blogger António Rocha said...

MEU CARO AMIGO ANÓNIMO
MUITO OBRIGADO PELO SEU COMENTÁRIO.

 
At fevereiro 24, 2013, Anonymous Anónimo said...

AMIGO VIAJANTE
NÕ PUDE DEIXAR DE NOTAR QUE VOCE TEM VIAJADO BASTANTE ENTRETANTO NOTEI QUE ESTÁ SEMPRE SÓ. VIGENS COM ESTAS SÓ TEM VALOR SE COMPARTILHADAS . SUGIRO QUE NAS PRÓXIMAS VÁ ACOMPANHADO VOCE VAI CURTIR MUITO MAIS

 
At julho 02, 2014, Anonymous Anónimo said...

Muito legal o Post!
Agora, descobri uma coisa bem legal, e deixo como dica também! Tem um app pra celular com Android ótimo (chama "Inglês de Bolso") para aprender as frases mais utilizadas em inglês:
https://play.google.com/store/apps/details?id=com.mobidiving.guideusa
tem a versão free..com algumas categorias a menos: https://play.google.com/store/apps/details?id=com.mobidiving.guideusafree
..pra viajar pro exterior e se o inglês for tão ruim quanto o meu..essa solução é genial.

 
At março 16, 2015, Blogger António Rocha said...

AMIGO ANÓNIMO
MUITO OBRIGADO PELAS SUAS SUGESTÕES.

 

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home

------------
 VIAGENS  
GOSTA DO MEU BLOG.
MUITO
MAIS OU MENOS
POUCO
NÃO GOSTA
Current Results
----------- Click for Viseu, Portugal Forecast
  • CRUZEIRO TRANSATLÂNTICO LISBOA-BRASIL
  • CRUZEIRO NO OASIS OF THE SEAS
  • CRUZEIRO NAS CARAÍBAS 2
  • CRUZEIRO DAS CIDADES BÁLTICAS
  • CRUZEIRO NAS CARAÍBAS 1
  • MÉXICO-RIVIERA MAIA
  • MARROCOS
  • EGIPTO
  • ISRAEL
  • BRASIL
  • NORDESTE BRASILEIRO
  • CHINA
  • MALÀSIA
  • TAILANDIA
  • SUDESTE ASIATICO
  • ITALIA
  • MÉXICO,CUBA E SENEGAL
  • BARCELONA
  • ISTAMBUL
  • AMÉRICA DO SUL
  • ÍNDIA NEPAL
  • ESTADOS UNIDOS
  • 4 CIDADES EUROPEIAS
  • TURISMO ESPECIAL
  • CURIOSIDADES DE VIAGENS
  • BAÚ DE RECORDAÇÕES
  • VISEU DE OUTROS TEMPOS
  • ESTRELAS DE CINEMA-MOVIE STARS 1
  • ESTRELAS DE CINEMA-MOVIE STARS 2
  • BEIJOS EM FILMES-MOVIE KISSES
  • CRÍTICAS DE CINEMA
  • CURIOSIDADES DE VIAGENS
  • MARAVILHAS DO MUNDO
  • TEATRO VIRIATO
  • COMPANHIA PAULO RIBEIRO
  • ARTE,ARTISTAS E MUSEUS
  • MUSEU GRÃO VASCO
  • A VIDA AMOROSA DE SALAZAR
  • CASA PIA E APITO DOURADO
  • OBRAS-PRIMAS DA PINTURA ERÓTICA
  • *


    Web Site Counter

    Powered by Blogger

    *

    Mesothelioma Attorney
    Visitantes

    Visitantes do mundo

    free counters

    Obrigado pela visita


    MySpace Layouts pet friendly hotels C a myspace codes myspace quiz Myspace Video Codes

    Obrigado pela visita