> Viagens-pelo-Mundo: VISEU DE OUTROS TEMPOS

Viagens-pelo-Mundo

6/02/2008

VISEU DE OUTROS TEMPOS


O ROSSIO NO INÍCIO DO SÉCULO XX
O ROSSIO NOS ANOS 30
O ROSSIO NOS ANOS 30 SEM O CINEMA
O JARDIM TOMÁS RIBEIRO NOS ANOS 30
O CINE ROSSIO NO DIA DA SUA INAUGURAÇÃO
A RUA FORMOSA NO INÍCIO DO SÉCULO XX
A RUA FORMOSA NOS ANOS 30
A RUA FORMOSA NOS ANOS SETENTA
A CASA AMARELA
LARGO DE SANTA CRISTINA

PRAÇA DE CAMÕES, HOJE DOM DUARTE
PRAÇA DE CAMÕES, HOJE DOM DUARTE
LARGO MARECHAL CARMONA, HOJE HUMBERTO DELGADO
AVENIDA ANTÓNIO  JOSÉ DE ALMEIDA
RUA DIREITA

ASILO DE SANTO ANTÓNIO

  LARGO DE SANTO ANTÓNIO E RUA CAPITÃO SILVA PEREIRA

TEATRO VIRIATO

TEATRO AVENIDA
TEATRO AVENIDA

ESTÁDIO DO FONTE LO



ESTAÇÃO FERROVIÁRIA DE VISEU

ESTAÇÃO FERROVIÁRIA DE VISEU

CAMPO DE VIRIATO




VISEU DE OUTROS TEMPOS
OLD PICTURES OF VISEU





As imagens que apresentamos neste post do nosso blogue são imagens de Viseu de outros tempos, são portanto imagens de uma cidade que já não existe. Uma cidade, com efeito, não é uma realidade estática. O progresso vai ditando as suas leis, condenando certas construções a desaparecerem e colocando outras no seu lugar. No que concerne à sua configuração arquitectónica e urbanística, a história de uma cidade é feita de várias camadas que se sobrepõem até chegar á cidade actual.
E à semelhança de um palimpsesto, as camadas posteriores apagam ou rasuram as camadas anteriores, que sobrevivem apenas na memória individual dos homens ou na memória colectiva da história. Nas imagens que acompanham este texto sobre Viseu de outros tempos, há duas camadas a considerar. A primeira camada, a mais antiga, no que concerne ao tempo das fotografias, mostra-nos alguns aspectos da cidade tal como ela era no século XIX. E Viseu no século XIX era uma cidade pequna, rural e atrasada.
As imagens que se referem a esta realidade urbanística que desapareceu há mais de um século são apenas quatro. Uma delas é uma vista parcial da cidade e é tão antiga que muito poucas pessoas a conseguem identificar. E isto acontece, não obstante serem quatro as pistas postas à nossa disposição para tentarmos decifrar o enorme enigma que a imagem é. Estas pistas são as igrejas da Sé e da Misericórdia, o edifício do Colégio Sacré Coeur, onde actualmente funciona a Escola Superior de Educação, e o edifício onde esteve instalado primeiro o Hotel Portugal e depois o Colégio de Santo Agostinho. O problema é que estes edifícios, um dos quais já foi demolido, se situam num contexto surrealista, que mais parece pertencer a uma aldeia do Portugal profundo ou mesmo a uma paisagem lunar. Mas a imagem acabou por ser decifrada. Ela mostra em primeiro e em segundo plano os sítios onde hoje se situam a Avenida Alberto Sampaio, a Rua dos Casimiros e a Rua 21 de Agosto e mostra também, num plano um pouco mais distante, a Rua Serpa Pinto. Uma outra imagem muito antiga, provavelmente também do século XIX, é a imagem do local onde hoje está situada a Praça D. Duarte. A praça nessa altura chamava-se Praça Luís de Camões, mas o melhor poeta português de todos os tempos só viria morar nela um pouco mais tarde. A imagem mostra-nos portanto a praça sem o vate e sem o rei D. Duarte, que é o actual inquilino. Mas na parte lateral da Sé voltada para a praça, por baixo e ao lado do Passeio dos Cónegos, podemos ver a antiga esquadra da polícia e a antiga cadeia de Viseu. Quanto a esta última, trata-se de uma cadeia bastante importante, pois nela esteve preso durante uns tempos o célebre bandido Zé do Telhado. E era devido à existência desta prisão que una das ruas que dava acesso à praça se chamava no tempo da nossa infância e da nossa adolescência a Rua da Cadeia.
Outra imagem que nos propomos analisar é uma fotografia da Rua Formosa. A imagem mostra a Rua Formosa vista a partir do Passeio de D. Fernando, hoje Rossio. A fotografia é muito difícil de interpretar, pois não se vê o edifício do Banco de Portugal no lado direito da imagem. Em seu lugar está um quintal, o quintal dos Andrades, cujo terreno foi comprado pela Câmara Municipal e posteriormente foi adquirido pelo Banco de Portugal. E os prédios que vemos no lado direito já foram todos demolidos.
Mas no lado esquerdo da rua vêem-se com dificuldade algumas construções que ainda hoje lá estão. Não obstante a perspectiva ser muito cerrada, nós reconhecemos em primeiro lugar o edifício anterior do Clube de Viseu, que na altura estava recuado em relação ao alinhamento das outras construções. E depois reconhecemos sucessivamente os dois torreões da antiga praça (hoje Mercado 2 de Maio), o e edifício do Dr. Luís Ferreira, o edifício da família Rocha e o edifício da Casa dos Lanifícios. O edifício da família Rocha reconhece-se por ter a cornija bastante mais baixa do que os outros, pois só tem um andar. Em relação ao edifício da Casa dos Lanifícios, o reconhecimento é mais fácil, pois identificam-se facilmente as loisas da parede lateral, que ainda hoje lá se podem ver.
A última imagem sobre a qual nos vamos debruçar mostra-nos o Rossio tal como era no século XIX. Os edifícios que estão à direita do prédio da Câmara Municipal ainda hoje lá se encontram. Mas o arruamento que hoje ladeia a praça ainda não existia. E na imagem não se vêem as ruas que na actualidade vão desembocar ao Rossio, como é o caso da Rua Formosa, da Rua da Paz, da Rua da Vitória e da Rua Gaspar Barreiros, embora a Rua Formosa já existisse, com o aspecto que nos mostra a imagem anteriormente analisada. Na fotografia também não de vê o Jardim Tomás Ribeiro, que ainda não existia. A legenda da fotografia esclarece-nos que a praça na altura se chamava Passeio de D. Fernando e que anteriormente se chamava Rossio de Santo António. A citada legenda também nos informa que no coreto que se vê mais ou menos no centro da praça costumava actuar a banda do Regimento de Infamaria 14, que tinha as suas instalações no topo sul da praça, no antigo convento franciscano de Santo António do Massorim. Nós ainda assistimos a concertos dessa e doutras bandas nesse coreto. Mas a praça já não se chamava Rossio de Santo António nem Passeio de D. Fernando. Era simplesmente o Rossio, nome que ainda hoje vigora.
Estas quatro fotografias são as imagens mais antigas de Viseu que nós possuímos Elas foram o pretexto para falarmos de uma cidade que desapareceu há mais de um século. Em próximo artigo iremos falar na Viseu dos anos vinte e trinta do século passado e traremos à colação outras fotografias.


VISEU NOS ANOS TRINTA
DO SÉCULO XX
A breve análise que vamos fazer à cidade de Viseu tal qual era nos anos trinta não é uma análise histórica, embora nós nada tenhamos contra esse tipo de análises.
Simplesmente, não quisemos seguir por esse caminho. É um caminho legítimo e nós aliás sempre gostámos muito da disciplina da história. Mas no que respeita à história recente de Viseu, esse aspecto histórico stricto sensu nunca nos interessou. A nossa memória do passado da cidade é sobretudo alimentada por recordações de índole proustiana e o nosso artigo é sobretudo dirigido a pessoas que têm com Viseu uma relação de amor. Mas também se destina a apresentar a cidade às pessoas que não a conhecem. Esperamos sinceramente que este artigo motive essas pessoas a conhecer a cidade de Viseu e a sua história.
Vamos abordar vários aspectos da cidade tal qual era nos anos trinta. A cidade nos anos trinta era muito diferente da cidade actual e não só por causa das rotundas. Nessa altura as ruas Capitão Silva Pereira e D. Francisco Alexandre Lobo ainda não existiam. E a Avenida 25 de Abril ainda não tinha sido aberta, conforme nos mostra uma das fotografias que ilustram este artigo. Essa fotografia mostra-nos o Rossio sem o edifício do antigo tribunal de comarca, sem o Hotel Grão Vasco, sem o Parque Aquilino Ribeiro e sem a Avenida 25 de Abril. No sítio hoje ocupado por essa avenida, nessa imagem aparecem a porta de armas do Regimento de Infantaria 14 e a capela de Nossa Senhora da Vitória. Trata-se de uma bela imagem, focalizada a partir do Jardim Tomás Ribeiro. A outra imagem que ilustra este artigo mostra-nos a rua mais bonita de Viseu, a Rua Formosa, que não é só linda no nome, também é bonita na sua realidade de rua.
A Rua Formosa não era nos anos trinta a rua somente para peões dos dias de hoje, tinha trânsito nos dois sentidos, passeios para quem andava a pé e sinaleiros nos seus dois cruzamentos e no Rossio. A nossa casa fica nesta rua, situa-se precisamente na esquina com a Rua Direita, e por isso mesmo a Rua Formosa era como se fosse um prolongamento do nosso lar. Nós aliás permanecíamos longas horas encostadas às quatro esquinas, na companhia dos amigos, discutindo os assuntos do dia, contando anedotas, galhofando e dirigindo piropos às meninas que passavam. Até se dizia que pertencíamos à SAPEV (Sociedade Anónima dos Polidores de Esquinas de Viseu). A rua nessa época tinha um movimento enorme, devido aos inúmeros cafés e restaurantes que a povoavam. Mas a causa principal do movimento da rua era um mercado que nela se situava. Esse mercado trazia diariamente à Rua Formosa uma multidão de compradores e de vendedores que alimentavam o mercado e que alimentavam igualmente todo o comércio da Rua Formosa e de mais quatro ruas, a Rua Direita, a Rua dos Andrades, a Rua do Comércio e a Rua dos Combatentes. A destruição desse mercado teve como consequência a desertificação da Rua Formosa e das ruas adjacentes e de todo o centro histórico da cidade. Ainda por cima o arquitecto Siza Vieira projectou para o local desse mercado um cemitério sem campas nem sepulturas, em suma, um espaço feio e morto. Pode-se dizer que a Câmara Municipal de Viseu foi enganada e não teve portanto culpa nenhuma, pois contratou um dos melhores arquitectos do mundo. O projecto do novo Mercado 2 de Maio é que não vale nada. Mais valia ter conservado e requalificado o antigo mercado, pois com ele a Rua Formosa tinha movimento e tinha alma e era muito mais bonita. E a propósito de crimes urbanísticos foi também na Rua Formosa que se praticou o horrendo crime de deitar abaixo o belo edifício onde funcionava o Banco Nacional Ultramarino, hoje Caixa Geral dos Depósitos. Decididamente, toda a gente estava apostada em destruir a bela Rua Formosa dos anos trinta.


VISEU DE OUTROS TEMPOS

PRAÇA DA REPÚBLICA (ROSSIO)

Nesta série de fotografias, o Rossio aparece em algumas delas com a configuração que tinha nos anos quarenta. E nós circulámos pelos lugares que as imagens mostram. E é assim que este Rossio do Regimento de Infantaria 14, da capela da Nossa Senhora da Vitória, da Igreja dos Terceiros com outra configuração e onde aparece um stand de automóveis no lugar onde presentemente se situa o edifício do antigo Palácio da Justiça, a cuja construção assistimos, é um Rossio que tem para nós um especial encanto, pois nessa altura éramos jovens e vivíamos numa contínua Primavera.
Na parte central do Rossio, existia um coreto e nele davam concertos regularmente durante os meses de Verão a banda do Regimento de Infantaria 14 e a banda do Asilo de Santo António. Nas imagens laterais do Rossio são de salientar os seguintes aspectos. Em primeiro lugar, podemos ver uma imagem muito antiga, focando o edifício ocupado actualmente pelo Banco Espírito Santo, em que se vê um vazio no lugar onde esteve o Cine Rossio e uma outra imagem em que aparece o cinema no dia da sua inauguração. Ao Cine Rossio iremos referir-nos detalhadamente no capítulo seguinte.
Por fim é de mencionar uma antiquíssima imagem do espaço frontal da Igreja dos Terceiros, com um lindíssimo jardim à sua frente, num tempo em que Viseu era realmente uma cidade-jardim.


CINE ROSSIO

O Cine Rossio foi inaugurado na década de cinquenta do século passado, com o filme O Preço da Juventude, de René Claire uma película francesa que não deixou rasto, pois não encontrámos a ela qualquer referência na monumental Enciclopedie du Cinema, de Roger Boussinot. A fotografia reproduzida neste livro foi tirada precisamente no dia da inauguração do cinema e a comprová-lo lá está, numa frontaria novinha em folha, o cartaz anunciando o filme referido.
Ao contrário do que acontecia com o Teatro Avenida e com o Teatro Viriato, o Cine Rossio só exibia filmes. E fazia-o com algum critério, distribuindo os filmes durante a semana por géneros cinematográficos, sendo a terça-feira normalmente contemplada com os westerns e o domingo com os filmes considerados mais sérios. Também podia acontecer que certos filmes, como O Maior Espectáculo do Mundo, o Quo Vadis ou o ET, permanecessem em cartaz uma semana ou mais, mas a regra era cada filme só ficar um único dia.
Quando foi criado o Cine Clube de Viseu, as suas sessões tinham lugar no Cine Rossio e nós ainda nos lembramos de assistir a essas sessões, quando ainda estudante, fortemente motivados pelo nosso amor precoce ao cinema e pelo nosso antifascismo de sempre. Depois do 25 de Abril, no panorama exibicional comercial normal do Cine Rossio, passou a haver um dia reservado aos filmes pornográficos, anteriormente proibidos pelo regime fascista, com sessões às quartas-feiras, muitíssimo concorridas, pois a fome era muita depois de meio século de censura e de consequente abstinência.
Escusado será dizer que o Cine Rossio era em certos dias um autêntico Cinema Paraíso, com comentários despropositados e alguns até obscenos repetidos até à exaustão pelos frequentadores da segunda plateia, que deixavam escandalizadas as pessoas de fora da cidade que vinham a Viseu ver cinema e que com certeza ficavam com a convicção de que Viseu era uma cidade de marginais e de arruaceiros.
Isto para já não falar das cenas eventualmente chocantes que tinham também lugar na plateia, a coberto da semi-obscuridade da sala, durante a exibição dos filmes, pornográficos ou não, com apalpões e beijos dos espectadores mais ousados às meninas que se sentavam ao seu lado ou então da parte dos namorados que iam aos filmes para curtir uma cena de sexo e não para olhar para o ecrã. Mas as salas de cinema nesse tempo eram assim: podiam-se mandar umas bocas e até apalpar uma moça; e às vezes, quando o filme era bom, até se via com atenção do princípio ao fim.


LARGO DE SANTA CRISTINA E JARDIM ALVES MARTINS

Na série de imagens que nos mostram o Largo da Santa Cristina e o Jardim Alves Martins cumpre desde já salientar a ausência de duas ruas que hoje vão precisamente desembocar no Largo da Santa Cristina: a Rua Capitão Silva Pereira e a Rua Alexandre Lobo. E é assim que no lado esquerdo da fachada da Casa Amarela nos aparece o muro do jardim privado da família nobre dos Pessanhas e do lado contrário vemos apenas a Rua Formosa.
A Casa Amarela, que já não é biblioteca municipal e que na altura ainda não o era, aparece-nos antes e depois de um incêndio ocorrido há muitos anos, na época longínqua da nossa infância. No lado oposto, situava-se a Pensão Ideal, que já há muito tempo deixou de fornecer dormidas e refeições aos brasileiros cá da região que sempre que podiam vinham regularmente a Viseu para matar saudades da terra natal. Na extremidade do Jardim Alves Martins que confronta com o Largo da Santa Cristina, havia ainda uma arejada esplanada, onde nós íamos com a nossa família e onde ouvimos pela primeira vez um músico completo a dar sozinho um concerto. Era o homem dos sete instrumentos.

RUA FORMOSA

A Rua Formosa não era a rua somente para peões dos dias de hoje, tinha trânsito nos dois sentidos, passeios para quem andava a pé e sinaleiros nas duas esquinas e no Rossio. A nossa casa fica nesta rua, situa-se precisamente na esquina com a Rua Direita, e por isso mesmo a Rua Formosa era como se fosse um prolongamento do nosso lar. Nós aliás permanecíamos longas horas nas quatro esquinas, na companhia dos amigos, discutindo os assuntos do dia, contando anedotas, galhofando e falando de futebol e vida alheia.
Até se dizia que pertencíamos à SAPEV (Sociedade Anónima dos Polidores de Esquinas de Viseu). Na mais antiga fotografia desta rua, a maior parte das pessoas não a consegue identificar, embora alguns edifícios que existiam nessa altura ainda se mantenham. Esta fotografia foi tirada no século XIX e daí o carácter quase surreal de uma rua que nesse tempo ainda não era formosa. Foi nesta rua que se praticou o horrendo crime de deitar abaixo o belo edifício onde funcionava o Banco Nacional Ultramarino, hoje Caixa Geral dos Depósitos.


AVENIDA ALBERTO SAMPAIO

O nome oficial desta avenida foi e é Avenida Alberto Sampaio e só nos anos do fascismo se chamou Avenida 28 de Maio. O que esta avenida não pode voltar a ser é a Avenida do Caroço da nossa infância, pois as cerejeiras que se alinhavam no passeio central, que dividia a avenida em duas faixas, já há muito tempo que foram deitadas abaixam.
E hoje nem sequer a divisória existe, a avenida mudou muito, o próprio Governo Civil não ocupava o prédio aonde está hoje, ocupava um prédio mais ou menos em frente, Uns metros mais adiante no sentido de Vildemoínhos, na esquina com a Rua dos Casimiros, que nesse tempo se chamava Rua Conselheiro Sousa Macedo, havia um hotel, o Hotel Portugal, que depois virou colégio, o Colégio de Santo Agostinho, e hoje já não existe nem hotel nem colégio, mas estranhamente, na fotografia mais antiga do lugar onde está agora a avenida, vê-se o prédio do hotel e do colégio, mas a avenida nessa altura ainda não existia.


RUA DR. LUIZ FERREIRA (RUA DO COMÉRCIO)

A fotografia foca a parte da rua onde se situava a Pensão Central, num elegante edifício arquitectonicamente bem proporcionado, como quase todos os edifícios da Rua Dr. Luiz Ferreira. Hoje está lá um mamarracho pseudo-moderno, o Centro Comercial Ecovil, que destoa do conjunto da rua, de tal maneira que o Arquitecto Siza Vieira, quando viu aquela barbaridade arquitectónica e urbana, logo perguntou quem tinha sido o criminoso que tinha autorizado a construção de tal edifício.


PRAÇA D. DUARTE

Esta praça era a Praça de Camões quando nós éramos menino e moço e agora é a Praça D. Duarte, tendo o busto de Camões dado lugar à estátua de D. Duarte e tendo a praça ficado esvaziada da feira semanal que nela se fazia. Nas várias fotografias que focam a praça em diferentes épocas, há mesmo uma muito antiga, de uma época anterior à inauguração do busto de Camões. Com efeito, a actual Praça D. Duarte antes de ser Praça de Camões era a Praça do Conselho e até teve em tempos mais recuados um pelourinho mais ou menos no centro da praça. A Câmara Municipal estava instalada no prédio do pintor Almeida e Silva, tendo em 1877 sido deliberado mudar a Câmara Municipal para um edifício novo a construir num logradouro fora das muralhas, o Passeio de D. Fernando, hoje Rossio, onde ainda se encontra actualmente.
Nesse tempo a vda visiense estava concentrada na Praça do Conselho, hoje Praça D. Duarte, e no Largo da Sé. Podemos mesmo dizer que praticamente todas as instituições viseenses estiveram instaladas no Paço dos Três Escalões, que é o edifício hoje ocupado pelo Museu Grão Vasco.
Ainda nos lembramos, por exemplo, da nossa primeira ida à Biblioteca Municipal de Viseu, que nessa altura morava no Paço dos Três Escalões, juntamente com o Museu Grão Vasco. Mas igualmente moraram nessa zona outras instituições viseenses, tais como o Paço Episcopal, o tribunal e as conservatórias. A prisão e a esquadra da polícia situavam-se na Praça D. Duarte e por isso a rua que ligava a Rua Direita à Praça do Conselho, hoje Praça D. Duarte, chamava-se Rua da Cadeia, uma rua cheia de lojas antigas e de mesteirais que cheirava aos tempo de antanho, à longínqua Idade Média.


LARGO GENERAL HUMBERTO DELGADO

O edifício dos correios é o único prédio sobrevivente deste momento histórico do largo, fotografado quando ainda não havia a Rua Alexandre Lobo. Havia apenas a Rua dos Andrades e a Rua do Cimo de Vila, que se chamava assim por ficar na parte de fora das muralhas, que aliás nessa época já há muito que não existiam. Este largo, que na altura se chamava Largo Marechal Carmona, um democrata e um membro da maçonaria que na fase final da sua vida política colaborou ao mais alto nível com o regime de Salazar, chama-se desde a revolução de 25 de Abril de 1974 Largo General Humberto Delgado.
Este largo ficaria muito mais belo se lá não tivesse sido construído o edifício dos correios. Com efeito, se o largo se prolongasse até à bela casa do Dr. Nascimento Ferreira, seria um largo muito mais aberto e monumental e, consequentemente, mais de acordo com o seu nome actual, o nome de um general destemido e corajoso, que deu a vida pela liberdade, assassinado pelos esbirros da policia política do ditador Salazar.


AVENIDA DR. ANTÓNIO JOSÉ DE ALMEIDA

Na altura em que a fotografia foi tirada, a avenida era mais conhecida por Avenida da Estação, devido à estação de caminho de ferro que lá existia, e que era a estação onde nós, juntamente com a restante família, de malas aviadas e com alimentos que chegassem para um mês, tomávamos o combóio, quando íamos passar o mês de Agosto à praia de Espinho, que era a praia dos viseenses nessa altura. A estação de caminho de ferro estava por detrás da pessoa que na altura tirou a fotografia, aonde hoje se situa a fonte cibernética, e por isso não se vê na imagem.


LARGO DE SANTO ANTÓNIO

O sítio do Largo de Santo António fotografado é o sítio onde hoje se situa uma das inúmeras rotundas que o Presidente Dr. Fernando Ruas mandou construir na cidade. Deste largo partiam e partem a Rua João Mendes, mais conhecida por Rua das Bocas, e a rua hoje chamada Rua Capitão Silva Pereira. Mas esta última rua nesses tempos recuados só ia até ao meio, pois o parque privado da casa brasonada dos Pessanhas ia até à Rua João Mendes, atravessando metade da Rua Capitão Silva Pereira actual.
O prédio que se vê em primeiro plano ainda lá está na actualidade; e realmente seria uma pena que tivesse sido deitado abaixo, pois é um airoso edifício que muito embeleza o local.


TEATRO AVENIDA

O Teatro Avenida é uma das salas de espectáculos dos nossos sonhos e dos nossos devaneios, pois foi nela, na sua plateia e nos seus camarotes, que começámos a amar o teatro, a música e o cinema, desde a mais tenra idade. Embora desconfortável segundo os padrões actuais, era uma das melhores salas de espectáculos do país e nela actuaram as maiores companhias de teatro de revista e de teatro dramático, com os melhores actores desse tempo, tais como João Villaret, António Silva, Vasco Santana e muitos outros.
Mas também vimos muito cinema no Teatro Avenida e até nos lembramos de que uma vez, quando era projectado no ecrã o filme Sissi, um filme sobre a romântica imperatriz da Áustria, interpretado pela lindíssima Romy Schneider, na altura precisa em que o nome Sissi aparecia em grande plano no genérico do filme, um gandulo dos camarotes gritou muito alto chichi e começou a mijar na plateia. Enfim, o Teatro Avenida também era às vezes um Cinema Paraíso.


TEATRO VIRIATO

O Teatro Viriato é a outra sala de espectáculos dos nossos sonhos e devaneios, pois começámos a frequentá-la, na companhia da nossa mãe, quando tínhamos à volta de quatro, cinco anos, pois nessa altura não havia classificação etária. Mas também íamos algumas vezes ao Viriato, acompanhados por colegas da escola e do liceu, e nessa eventualidade ocupávamos os antigos camarotes de segunda ordem, que funcionavam como a geral e custavam a módica quantia de dez tostões.
Éramos como Les Enfants du Paradis do belíssimo filme do célebre realizador francês Marcel Carné, nessa busca jamais mitigada de um enlevo de imagens que nos pintasse a cinzenta realidade da nossa juventude, amordaçada pelo salazarismo, com as cores do tecnicolor do cinema, embrulhadas na embalagem de luxo da sétima arte.
E uma vez aconteceu, quando era projectado no velho Viriato um filme histórico passado na antiga Roma, numa sequência em que uma formosa aristocrata desse tempo tomava um banho de imersão em leite de burra, ouvirmos um frequentador desses camarotes altos do teatro gritar alto e bom som que dali se via tudo. Claro que isso não era verdade, a imagem do cinema é plana, via-se a mesma coisa da plateia e dos camarotes, mas o dito espirituoso teve o condão de transformar um filme histórico num filme cómico.


ESTÁDIO DO FONTELO

A fotografia reproduzida não é tão antiga como parece, pois nós recordamo-nos perfeitamente do Estádio do Fontelo tal como a imagem no-lo mostra. Foi aqui que começámos a ver os jogos do Académico de Viseu, o nosso clube de sempre. Íamos com o nosso pai para o peão e víamos os desafios apaixonadamente, pois o futebol nessa época era mais emotivo e havia mais golos.

6 Comments:

At abril 12, 2009, OpenID mezulig said...

Parabéns pelo blog por este excelente post.
1abraço

 
At agosto 26, 2010, Anonymous Anónimo said...

Optimas photos, muito obrigado pela publicação e os meus parabéns!

 
At agosto 31, 2010, Blogger António Rocha said...

MEU PREZADO AMIGO

MUITO OBRIGADO PELO SEU AMÁEL COMENTÁRIO,
JÁ LHE RESPONDI POR CORREIO ELECTRÓNICO.

UM ABRAÇO DE

ANTÓNIO ROCHA

 
At junho 05, 2011, Blogger Eurico Sousa said...

belas memórias. procuro fotos da antiga estação da cp em viseu, pois pretendo fazer uma maquete á escala 1/100 será que me pode ajudar?
desde já obrigado
virgilio
xabregas

 
At novembro 30, 2011, Anonymous carlos Cunha said...

o meu nome é Carlos Cunha Parabéns pelo seu trabalho está muito bom
o que eu lamento é sendo o senhor uma pessoa ligada á cultura e culto que é a imagem que tenho da sua pessoa não se lembrar que algumas fotografias que reproduz no seu blogue estão protegidas pelos direitos de autor e conexos e sendo eu o proprietário legal das mesmas não me lembro de ter passado alguma autorização para reprodução do espólio que me pertence(Foto Germano)para melhor esclarecimentos desta situação agradecia que me enviasse um e-mail para (geral@fotogermano.com) ou então que ligasse para o nº móvel 968825036
Cordialmente
Carlos Cunha

 
At agosto 27, 2014, Anonymous Tiago said...

Olá,

É com agrado que vi estas fotografias antigas da cidade que me acolheu. Fico apenas um pouco nostálgico (naturalmente sem razão pois sou novo) pela falta da estação ferroviária...

 

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home

------------
 VIAGENS  
GOSTA DO MEU BLOG.
MUITO
MAIS OU MENOS
POUCO
NÃO GOSTA
Current Results
----------- Click for Viseu, Portugal Forecast
  • CRUZEIRO TRANSATLÂNTICO LISBOA-BRASIL
  • CRUZEIRO NO OASIS OF THE SEAS
  • CRUZEIRO NAS CARAÍBAS 2
  • CRUZEIRO DAS CIDADES BÁLTICAS
  • CRUZEIRO NAS CARAÍBAS 1
  • MÉXICO-RIVIERA MAIA
  • MARROCOS
  • EGIPTO
  • ISRAEL
  • BRASIL
  • NORDESTE BRASILEIRO
  • CHINA
  • MALÀSIA
  • TAILANDIA
  • SUDESTE ASIATICO
  • ITALIA
  • MÉXICO,CUBA E SENEGAL
  • BARCELONA
  • ISTAMBUL
  • AMÉRICA DO SUL
  • ÍNDIA NEPAL
  • ESTADOS UNIDOS
  • 4 CIDADES EUROPEIAS
  • TURISMO ESPECIAL
  • CURIOSIDADES DE VIAGENS
  • BAÚ DE RECORDAÇÕES
  • VISEU DE OUTROS TEMPOS
  • ESTRELAS DE CINEMA-MOVIE STARS 1
  • ESTRELAS DE CINEMA-MOVIE STARS 2
  • BEIJOS EM FILMES-MOVIE KISSES
  • CRÍTICAS DE CINEMA
  • CURIOSIDADES DE VIAGENS
  • MARAVILHAS DO MUNDO
  • TEATRO VIRIATO
  • COMPANHIA PAULO RIBEIRO
  • ARTE,ARTISTAS E MUSEUS
  • MUSEU GRÃO VASCO
  • A VIDA AMOROSA DE SALAZAR
  • CASA PIA E APITO DOURADO
  • OBRAS-PRIMAS DA PINTURA ERÓTICA
  • *


    Web Site Counter

    Powered by Blogger

    *

    Mesothelioma Attorney
    Visitantes

    Visitantes do mundo

    free counters

    Obrigado pela visita


    MySpace Layouts pet friendly hotels C a myspace codes myspace quiz Myspace Video Codes

    Obrigado pela visita